Dicas de estudo Enem

Fies é a única solução para quem não tem dinheiro?

Written by joao.gobira

Quer entrar na faculdade este ano, mas não tem dinheiro para pagar as mensalidades? Ao contrário do que muita gente pensa, o Fies não é a única solução para quem quer investir nos estudos e não tem dinheiro.

O Governo Federal, por exemplo, possui três programas para ajudar os estudantes que não tem condições financeiras, são eles: Sisu, ProUni e Fies.

dicas-para-conseguir-trabalhar-e-estudar-ao-mesmo-tempo-

Neste texto detalharemos mais esses programas além de opções privadas que também podem te ajudar com o sonho de estudar em uma boa Universidade. Confira!

Sisu

O Sistema de Seleção Unificada, mais conhecido como Sisu, é um programa do Governo Federal, desenvolvido pelo Ministério da Educação, que visa selecionar candidatos para vagas em instituições públicas de ensino superior em todo o Brasil que utilizam a nota do ENEM como único processo seletivo.

Basicamente, os candidatos são selecionados de acordo com as suas notas.

Durante 4 dias é possível consultar as instituições e vagas disponíveis, assim como as notas de corte de cada uma delas.

As inscrições no Sisu podem ser feitas em Janeiro e Julho com a nota do ENEM do ano anterior.

Para quem não tem muito dinheiro para investir nos estudos, o Sisu é a saída ideal.

Pois é possível escolher uma vaga em qualquer lugar do país, o que torna ainda mais fácil a entrada na universidade; principalmente se você tiver disponibilidade de mudar de cidade ou estado.

ProUni

Outra opção para quem não tem condições financeiras de sustentar os estudos em uma faculdade particular é o Programa Universidade para Todos.

O ProUni, como é popularmente chamado, oferece, para estudantes de baixa renda, bolsas de estudos integrais e parciais nas principais faculdades e universidades particulares do Brasil.

Assim como o Sisu, o ProUni também seleciona os seus candidatos através da nota obtida pelo ENEM.

Os pré-requisitos são: tirar, no mínimo, 450 na prova e não zerar a redação.

Além disso, é preciso que o candidato tenha cursado o ensino médio integralmente em uma escola pública, ou no caso das particulares, estudado como bolsista.

Para concorrer a bolsa integral, é preciso comprovar renda bruta familiar de até 1,5 salário mínimo por mês; enquanto para conseguir uma bolsa parcial, é preciso comprovar renda bruta familiar de até 3 salários mínimos por pessoa.

Fies

Caso o candidato não tenha conseguido bolsa em nenhum desses dois programas pode optar pelo Fundo de Financiamento Estudantil.

O Fies, assim como os demais programas, também pertence ao Governo Federal, e oferece opções de financiamento para estudantes matriculados em cursos de graduação em instituições particulares.

Desde 2010, o Fies passou a trabalhar de forma contínua e o estudante pode fazer a solicitação em qualquer período do ano. As inscrições são feitas pelo SisFies. Os estudantes que optarem pelo Fies terão até três fases para quitarem seus financiamentos.

Fase de utilização: durante o curso, o aluno pagará, de três em três meses, o valor máximo de R$50, referente aos juros do financiamento.

Fase de carência: depois de concluir o curso o aluno ainda terá 18 meses de carência para recompor o seu orçamento. Nesse período, assim como a fase de utilização, ele deverá pagar, de três em três meses, o valor máximo de R$50, referente aos juros do financiamento.

Fase de amortização: encerrado o período de carência, o saldo devedor do estudante poderá ser parcelado em até três vezes o tempo financiado do curso mais 12 meses. Ou seja, se o curso durou 4 anos, o estudante terá até 13 anos para quitar os seus débitos.

Agora que você já sabe as opções para quem não tem condições financeiras, escolha o programa que mais poderá te ajudar e bons estudos!

Leave a Comment